antropologia

5 abr

antropologia etnologia etnografia

Hello world!

5 abr

Welcome to WordPress.com. After you read this, you should delete and write your own post, with a new title above. Or hit Add New on the left (of the admin dashboard) to start a fresh post.

Here are some suggestions for your first post.

  1. You can find new ideas for what to blog about by reading the Daily Post.
  2. Add PressThis to your browser. It creates a new blog post for you about any interesting  page you read on the web.
  3. Make some changes to this page, and then hit preview on the right. You can always preview any post or edit it before you share it to the world.

revista manufaturas – antropologia, ciência e outras artes e ofícios

4 abr

Chamada para artigos

A Revista Manufaturas: Antropologia, Ciência e Outras Artes e Ofícios, vinculada ao Laboratório de Antropologia da Ciência e da Técnica (LACT-UNB) está recebendo contribuições para seu primeiro número, com publicação prevista para o segundo semestre de 2012.

Manufaturas é uma revista online, de periodicidade semestral, dedicada aos estudos das relações entre ciências e técnicas sob a perspectiva de práticas antropológicas dos mais diversos matizes, bem como em diálogo com outras áreas do conhecimento. Inspirando-se nas múltiplas possibilidades do pensamento propiciadas pela etnografia, espera-se que ao reabrir controvérsias e adentrar na lógica de dispositivos outros, novas associações entre ciências, artes, naturezas e culturas sejam possíveis. Neste espírito, Manufaturas é um manifesto contínuo em favor de novas articulações para as ciências sociais.

A primeira edição terá como tema princípio ativo.

Eis que se levantam aqueles batalhões de átomos, átomos de outros átomos, compósitos de outros compósitos. Antes ensimesmados na gélida substância que outrora lhes arrebatara, agora prontificam-se a serem regidos por sua única senhora: a eficácia. Deram-lhes nome: princípio ativo. Momentums, aceleradores de dispositivos, monstros que se prestam a conjurar tantas feras, que nenhum bestiário seria capaz de conter. Estes ingredientes agora circulam pelas redes neuronais de um mamífero superior, navegam por ritalinas, Prozacs e fluoxetinas, mas também transitam por aceleradores de partículas, fórmulas mágicas e por todas as formas de sentimentos mais intestinos. Diz-se deles que são detonadores, substâncias, elas mesmas compostas de exércitos de outros fazem-fazer. Quando tentam torná-los cativos, escravos reduzidos a uma função, prontos estão a jogar-se pelos precipícios que lhe cercam. Verdadeiros insurgentes, os princípios-ativos, no momento em que detectam que lhes tomam as mãos para por os grilhões, apressam-se a escapar por frestas, gretas, criando passagens, conduzindo-se a novos senhores.

Dos princípios ativos diz-se que, para provocá-los, basta tentar nomeá-los (para o desespero dos herdeiros de Lineu). Assim que o fazem, estes insubordinados filhos de Prometeu prontificam-se a transformar-se de maneira que, no momento em que qualquer observador diligente tenta registrar os seus contornos em uma câmara escura, não obterá nada além de um fluxo: uma paisagem amorfa povoada por estas estranhas gentes.

Mas qual é, afinal, o princípio daquilo, ou antes, daquele que age? Pode bem ser aquele arranjo molecular de um remédio alopático que faz com que ele produza um determinado efeito fisiológico nos organismos. Mas pode ser também a fé ou transmissões de estímulos cerebrais desconhecidos que curam aquele que toma um placebo. Mas pode ser ainda mais. Motivo material, espiritual e/ou cosmológico da eficácia de uma certa técnica. Aquilo que nasce de uma matéria bruta, o princípio, o começo, a origem que age. Princípio ativo como princípio vital, o princípio da atividade, os princípios em atividade, as forças, os valores ou as pulsões que movem algo ou alguém. Princípio ativo da antropologia, porque não? Princípio ativo como princípio nativo, princípio ativo do sistema de parentesco, dos rituais de iniciação, do xamanismo, das relações com a alteridade. Princípio ativo como princípio cativo, princípio subjugado e impedido, dessa forma, de ser ativo ou cuja atividade, em função do cativeiro, é limitada. Princípio cativo, princípio que seduz, cativa, e, com isso, magnetiza a volição alheia. 

O princípio que age. Aquilo ou aquele que age por princípio. Aquilo ou aquele que age no princípio. Fonte de eficácia. Fonte de ação. Fonte de volição. Princípio ativo.

A revista aceita artigos inéditos, resenhas, entrevistas, produções estéticas e traduções. Serão aceitos trabalhos escritos em português, espanhol, inglês e francês. Sendo os textos em língua estrangeira publicados no idioma original.

As colaborações devem ser enviadas para: revistamanufaturas@gmail.com até o dia 30 de maio de 2012. As instruções para colaboradores encontram-se no arquivo em anexo.

Comitê Editorial

demografia dos povos indígenas no brasil

2 abr

Organizadores: Pagliaro, Heloísa; Azevedo, Marta Maria; Santos, Ricardo Ventura

Editora FIOCRUZ
 
Esta obra de caráter interdisciplinar reúne estudos atuais sobre a demografia indígena no Brasil. O fato de ser interdisciplinar é enriquecedor, uma vez que admite a necessidade de diálogo e correlação entre os diferentes campos do saber, como a demografia, a antropologia e a epidemiologia, que tratam de um assunto para dizer no mínimo desconhecido da maioria da população leiga: onde estão e quem são os índios do Brasil? É a partir dessa tentativa de diálogo que os autores procuraram reunir nesta obra artigos que versam sobre diferentes temas como fecundidade, comportamento reprodutivo e mortalidade de populações indígenas.
 

Download Livro em PDF, ou por capítulos: 

Front Matter / Elementos Pré-textuais / Páginas Iniciales PDF
Apresentação PDF
Demografia dos Povos Indígenas no Brasil: um panorama crítico PDF
Povos Indígenas no Alto Rio Negro: um estudo de caso de nupcialidade PDF
Demografia, epidemias e organização social: os Xavánte de Pimentel Barbosa (Etéñitépa), Mato Grosso PDF
A revolução demográfica dos povos indígenas a experiência dos Kaiabi do Parque Indígena do Xingu, Mato Grosso PDF
Estimativas de fecundidade e de mortalidade de populações de pequena escala através de um modelo demográfico PDF
Reflexões acerca do mundo cultural e do comportamento reprodutivo dos Kamaiurá ontem e hoje PDF
Estudo Demográfico dos Sateré-Mawé: um exemplo de censo participativo PDF
Perfil demográfico socioeconômico das pessoas que se autodeclararam ‘Indígenas’ nos censos demográficos de 1991 e 2000 PDF
A dinâmica demográfica dos Mucajaí Yanomami: uma entrevista com John Early PDF

Livro da biblioteca http://books.scielo.org/

 

boa notícia: chegou o SciElo Livros

31 mar

scielolivros

A Rede SciELO Livros visa a publicação online de coleções nacionais e temáticas de livros acadêmicos com o objetivo de maximizar a visibilidade, acessibilidade, uso e impacto das pesquisas, ensaios e estudos que publicam. Os livros publicados pelo SciELO Livros são selecionados segundo controles de qualidade aplicados por um comitê científico e os textos em formato digital  são preparados segundo padrões internacionais que permitem o controle de acesso e de citações e são legíveis nos leitores de ebooks, tablets, smartphones e telas de computador. Além do Portal SciELO Livros as obras serão acessíveis por meio dos buscadores da Web e serão publicados também por portais e serviços de referência internacional.

Acesse aqui.

clássicos: o crisântemo e a espada

8 mar

Esta obra é um exemplo de “antropologia à distância” ou “antropologia aplicada” e, em certo sentido “antropologia militar”. Estudar a cultura por meio de sua literatura, recortes de jornais, filmes e arquivos, entrevistas com imigrantes., foi necessário num momento em que antropólogos norte-americanos foram convidados pelos militares para apoiar os Estados Unidos e seus Aliados na Segunda Guerra Mundial. Impossibilitados de visitar a Alemanha nazista ou o Japão de Hirohito, antropólogos valeram-se de tais materiais culturais e puderam produzir estudos à distância.

link para download: http://bit.ly/y1DynB?

hau journal of ethnographic theory

29 fev

Vol 1, No 1 (2011) The G-Factor of Anthropology: Archaeologies of Kin(g)ship

Edited by Giovanni da Col (Cambridge) and Stéphane Gros (CNRS)

The phoneme that separates the English words “kinship” and “kingship” deserves to be known as the “g” factor in history. – Luc de Heusch

Table of Contents

Front & Back Matter

Front & Back Matter

EPUB PDF

i–v

Editorial

Foreword: The return of ethnographic theory

EPUB PDF

Giovanni da Col, David Graeber

vi–xxxv

Themed Articles

The divine kingship of the Shilluk: On violence, utopia, and the human condition, or, elements for an archaeology of sovereignty

EPUB PDF

David Graeber

1–62

Twin-born with greatness: the dual kingship of Sparta

EPUB PDF

Marshall Sahlins

63–101

Copernican kinship: an origin myth for the category

EPUB PDF

Gregory Schrempp

103–139

Daribi kinship at perpendicular angles: A trompe l’oeil anthropology

EPUB PDF

Alberto Corsín Jiménez

141–157

The chess of kinship and the kinship of chess (Preface by Tony Crook and Justin Shaffner, Roy Wagner’s “The chess of kinship”: an opening gambit)

EPUB PDF

Roy Wagner

159–177

Skinship: Touchability as a virtue in East-Central India

EPUB PDF

Chris Gregory

179–209

Varia

Ethnography as theory

EPUB PDF

Laura Nader

211–219

Mixing methods, tasting fingers: Notes on an ethnographic experiment

EPUB PDF

Anna M. Mann, Annemarie M. Mol, Priya Satalkar, Amalinda Savirani, Nasima Selim, Malini Sur, Emily Yates-Doerr

221–243

Unedited Scholarship

What is a parent?

EPUB PDF

Marilyn Strathern

245–278

Kingship and divinity: The unpublished Frazer Lecture, Oxford, 28 October 1982

EPUB PDF

Edmund R. Leach

279–298

Forum

Von Hügel’s curiosity: Encounter and experiment in the new museum

EPUB PDF

Nicholas Thomas

299–314

Translations

Bodies, kinship and power(s) in the Baruya culture

EPUB PDF

Maurice Godelier

315–344

Begetting ordinary humans

EPUB PDF

Maurice Godelier

345–389

Begetting extraordinary humans

EPUB PDF

Maurice Godelier

391–406

Reprints

The divine kingship of the Shilluk of the Nilotic Sudan: The Frazer Lecture, 1948

EPUB PDF

E .E. Evans-Pritchard

407–422

The place of grace in anthropology

EPUB PDF

Julian Pitt-Rivers

423–450

Some muddles in the models: or, how the system really works

EPUB PDF

David M. Schneider

451–492

ISSN: 2049-1115

clássicos: sociologia e antropologia

19 jan

Marcel MAUSS

http://www.mediafire.com/?wfyjdmttdz2

Publicado postumamente na França em 1950, Sociologia e antropologia traz parte significativa dos ensaios, até então dispersos. Esses escritos – sobre corpo, magia, troca, idéia de morte, noção de pessoa etc.– pautaram as linhas de pesquisa nas ciências sociais e são, atualmente, leitura obrigatória para todo cientista social.

virtual brazilian anthropology

17 jan

Vibrant. v.8 n.2 | 07–12/2011

Cover and credits

Feminist Letters
Mariza Corrêa
abstract | resumo

Érase una vez en Taracuá… Sobre el origen del mundo – tradición cristiana, teoría científica y pensamiento indígena
Gilton Mendes dos Santos
abstract | resumo | resumen

Your ID, please? The Henry Gates vs. James Crowley Event from an Anthropological Perspective
Mariza Peirano
abstract | resumo

Dossier “”Anthropology of Kinship”

Guest Editors: Marcio Ferreira da Silva, Adriana Piscitelli

Foreword
Marcio Ferreira da Silva, Adriana Piscitelli

Compadrio in Rural Brazil: Structural Analysis of a Ritual Institution
Antonio A. Arantes
abstract | resumo

Perspectives théoriques dans l’étude de la Famille, de l’enfance et de la parenté : Un regard à partir de la comparaison entre adoption et P.M.A.
Débora Allebrandt
abstract | resumé | resumo

Les coparentalités entre gays et lesbiennes en France: le point de vue des pères
Flávio Luiz Tarnovski
abstract | resumo | resumé

The weave of kinship and the ever-mobile fishing village of Barra de Ararapira (Superagüi Island, Guaraqueçaba, Paraná, Brazil)
Juliane Bazzo
abstract | resumo

“Making Families”: Child mobility and familiar organization in Cape Verde
Andréa Lobo
abstract | resumo

Kinship and Differentialities: Alternatives to Identity and to Ethnic Frontiers in The Study of Migrations
Igor José de Renó Machado
abstract | resumo

Weaving Relatives: Elopement and Kinship in a Southern Brazilian Community
Juliana P. Lima Caruso
abstract | resumo

Blood and Other Substances: New Reproductive Technologies and Adoption in Popular Groups in Southern Brazil
Pedro Nascimento
abstract | resumo

Families, Nations and Generations in Women’s International Migration
Parry Scott
abstract | resumo

The De-Kinning of Birthmothers: Reflections on Maternity and Being Human
Claudia Fonseca
abstract | resumo

Marriage Between “Close Relatives”: Considerations about Kinship Between the Guarani Nhandéva on Western Paraná
Jovane Gonçalves dos Santos
abstract | resumo

From Socio-politics to Kinship Dynamics Among the Kaingang
Cinthia Creatini da Rocha
abstract | resumo

Pós-Dradiviano Sateré-Mawé: parentesco y rituales de afinabiliadad
Gabriel O. Alvarez
abstract | resumo | resumen

Creating Affinity: Formal Friendship and Matrimonial Alliances Among the Jê People and the Apinaje Case
Odair Giraldin
abstract | resumo

 

Déjà Lu

Kinship Studies in Brazil
Roque de Barros Laraia

 

Dossier “Urban Anthropology”

Guest Editors: Gilberto Velho e Karina Kuschnir

Foreword
Gilberto Velho & Karina Kuschnir

Urban Narrators: Ruth Cardoso
Ana Luiza Carvalho da Rocha e Cornelia Eckert
abstract | resumo

Urban Narrators: Eunice Durham
Ana Luiza Carvalho da Rocha e Cornelia Eckert
abstract | resumo

Urban Anthropology: Interdisciplinarity and Boundaries of Knowledge
Gilberto Velho
abstract | resumo

Brazilians in Lisbon: Immigrant Association and the Meaning of Urban Spaces
Alessandra Siqueira Barreto
abstract | resumo

Pioneers and Entrepreneurs: Bio/Ethnographic Notes Towards an Anthropology of Urban Growth
Cristina Patriota de Moura
abstract | resumo

The Experience of Pregnancy: Subjectivity and Social Relations
Claudia Barcellos Rezende
abstract | resumo

Networks and Territorialities: an ethnographic approach to the so-called cracolândia [“crackland”] in São Paulo
Heitor Frúgoli Jr., Enrico Spaggiari
abstract | resumo

Architecture Inside Out: Urban Transformations Through the Perception of Demolition Engineers
Alberto Goyena
abstract | resumo

Drawing the City: a proposal for an ethnographic study in Rio de Janeiro
Karina Kuschnir
abstract | resumo

livros clássicos: o processo ritual

16 jan

Os rituais discutidos por Turner incluem ritos de fertilidade, os ritos de circuncisão, rituais dedicados à geminação, e os ritos relacionados com o status social, como a colocação de um chefe tribal. Interesse particular de Turner com estes rituais é o papel desempenhado pela liminaridade, estrutura e as communitas. O ritual serve, para Turner, a função de equilibrar a estrutura e as communitas. As pessoas que participam nos rituais são, temporariamente, fora daestrutura social normal e, portanto, estão em um estado liminar.

http://www.4shared.com/document/7J9NVEpJ/O_Processo_Ritual_-_Victor_Tur.html